Reaberto, Parque Nacional de Abrolhos está livre de manchas de óleo

Compartilhe agora mesmo


O Parque Nacional Marinho de Abrolhos, no sul da Bahia, volta a receber turistas. A visitação foi suspensa desde o dis 3, em decorrência do vazamento de óleo no Arquipélago. Segundo a direção do parque, o fechamento tinha o objetivo de minimizar ao máximo riscos à saúde dos visitantes.

O arquipélago de Abrolhos é diariamente monitorado por meio de rondas de navios da Marinha, drones e da atuação de mergulhadores autônomos, embarcações de pescadores voluntários, pesquisadores, ONGs, voluntários e da equipe do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O parque é um dos principais berços da biodiversidade marinha do Atlântico Sul. Inaugurado em 1983, é a primeira unidade de conservação marinha do país.

RECORDE DE VISITAÇÃO – O número de visitantes em unidades de conservação do País registraram recorde em 2018. Mais de 14 milhões de visitantes confirmaram o potencial brasileiro para o ecoturismo e para o turismo de aventura. Só no ano passado, a atividade gerou ao país cerca de 80 mil empregos diretos. Nos últimos anos, a procura de turistas estrangeiros por esses segmentos cresceu 27,3%. Cerca de 71% das visitas a unidades de conservação do Brasil foram realizadas em parques nacionais.

Em parceria com o Ministério do Meio Ambiente e a Embratur, o Ministério do Turismo trabalha para desenvolver o turismo ecológico associado à conservação da biodiversidade, além do apoio à promoção dos destinos, com inclusão social e geração de emprego e renda. O MTur já possui mais de 30 áreas de conservação mapeadas com base em Índice de Atratividade Turística para ações de promoção e marketing e obras de sinalização turística, além de uma Rede Nacional de Trilhas de Longo Curso e Conectividade.

MONITORAMENTO DAS MANCHAS – O estado da Bahia, do Rio Grande do Norte, da Paraíba, de Sergipe e Pernambuco estão com as praias limpas segundo dados do Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), formado pela Marinha do Brasil (MB), Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Compartilhe agora mesmo

Deixe uma resposta

Fechar Menu