A POLUIÇÃO E SEUS EFEITOS DEVASTADORES PARA A SAÚDE

Compartilhe agora mesmo

Os efeitos da poluição atmosférica são toxicológicos, afetando principalmente as vias respiratórias. “De uma forma geral, os efeitos são vistos a curto e longo prazo. Em curto prazo, há maior incidência de sintomas respiratórios, como tosse, expectoração, chiado e falta de ar. Em longo prazo, observa-se maior ocorrência de doenças respiratórias, como asma, bronquite crônica, enfisema e câncer de pulmão. De doenças cardiovasculares, são frequentes infarto, angina, insuficiência cardíaca, arritmias e derrames. Em dias de ar mais poluído aumenta a taxa de infartos”, explica o coordenador da Comissão de Doenças Intersticiais da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), dr. Alexandre de Melo Kawassaki.
De acordo com dr. Alexandre, pessoas que já apresentam doenças respiratórias e cardiovasculares, além de idosos e crianças, são os que mais sofrem com os dias de baixa umidade ou de inversão térmica. A inalação de metais pesados, como o chumbo, pode provocar doenças do coração, assim como Parkinson, mal de Alzheimer e distúrbios de ansiedade.
O material particulado, conjunto formado por poeira, fumaças, materiais líquidos e sólidos que permanecem suspensos na atmosfera, contém substâncias que, além de causar danos diretos ao sistema respiratório,podem ser absorvidas pelo organismo, aumentando a inflamação e liberação de radicais livres. “Falamos de uma reação em cadeia das moléculas do organismo que ‘trocam` elétrons entre si. Esse fenômeno biológico causa danos às células, e pode gerar, nas piores hipóteses, o câncer”, informa o especialista.
Hoje, há uma busca pela redução da emissão de gases poluentes na atmosfera. A utilização de carros elétricos, ou carros movidos a álcool – combustível que polui menos e é reciclável – são medidas simples que podem ser adotadas. Todo o organismo humano é prejudicado pela baixa qualidade do ar, o que aumenta a possibilidade de diferentes patologias. “Nos dias de hoje, com a evolução frequente em todas as áreas, é importante se concentrar na produção e tecnologias de forma sustentável, para viver mais e melhor, uma vez que cidades mais poluídas tendem a ter menor expectativa de vida”, ressalta o dr. Alexandre.
Enquanto alguns gases poluentes possuem fontes identificáveis, outros são gerados a partir da ação da luz solar sobre os materiais reativos expelidos no ar. O dióxido de enxofre, por exemplo, forma-se a partir de atividades vulcânicas e queima de carvão ou petróleo. Já o ozônio, com ação de contaminação perigosa, produz-se pela interação de hidrocarbonetos e óxido de nitrogênio (gerado por indústrias químicas).
A dispersão dos gases na atmosfera depende da temperatura, velocidade do vento, movimentação do sistema de baixa e alta pressão, além da topografia local. Um fator agravante para o acúmulo de poluição no ar é o fenômeno da inversão térmica, comum nos grandes centros urbanos e mais presente no inverno. Ocorre quando o ar quente impede o ar frio de circular, alterando o clima e prejudicando a dissipação dos gases.

Compartilhe agora mesmo

Deixe uma resposta