Ibama sabia que navio grego não havia derramado óleo antes de operação da PF

Compartilhe agora mesmo

Uma semana antes de a Polícia Federal deflagrar a Operação Mácula no dia 1º de novembro, que apontava o navio grego Bouboulina como o principal suspeito pela mancha de derramamento de óleo avistada no litoral, o Ibama, órgão do Ministério do Meio Ambiente, já havia rejeitado as imagens que basearam a prova da PF, por já saber que não se tratava de uma mancha do poluente.

A revelação foi feita pelo coordenador-geral do Centro Nacional de Monitoramento e Informações Ambientais (Cenima) do Ibama, Pedro Alberto Bignelli. Em declarações dadas à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Óleo, durante audiência na Câmara, o técnico especializado em análise de imagens de sensoriamento afirmou que as imagens chegaram a ser levadas ao Ibama ainda em outubro, pela empresa Hex Tecnologias Geoespaciais, de Brasília.

O material, segundo ele, foi exposto ao Ibama como parte de uma oferta comercial de serviço. A Hex mantém, desde março, um contrato com o Ibama para análise de imagens por satélite, mas trata-se de um serviço sob demanda, ou seja, a empresa ganha quando presta o serviço.

Ao ver as imagens que a Hex apresentou, Bignelli disse que o material já apresentava características básicas de que não se tratava de petróleo, como a coloração. A ausência de dados técnicos básicos, disse ele, levou o Ibama a rejeitar o material como prova da origem do óleo. Uma semana depois, porém, a PF deflagrou a operação baseada nessas mesmas imagens, as quais foram cedidas gratuitamente pela Hex às investigações. Os investigadores teriam alegado que, além das imagens, teriam outras evidências.

“Vendo as imagens, eu, como técnico, não me senti confortável em assumir aquele relatório como verdadeiro”, disse Bignelli. O técnico contou que, após a repercussão da operação da PF, que apontava o navio grego Bouboulina, da empresa Delta Tankers, como o autor do derramamento, chegou a ser alvo de chacota no Ibama. “Teve uma brincadeira de nosso diretor… Eu ouvi ‘você comeu bola’. Então, respondi a ele ‘eu não coloco meu currículo nesse trabalho’”, comentou.

Declaração contradiz fala de empresa de análise de imagens

A declaração contradiz o que afirmou, em novembro, o presidente da Hex, Leonardo Barros. Ao Estado, ele comentou que tinha decidido ceder as imagens à PF porque não tinha sido acionado pelo Ibama, nem pelo Ministério do Meio Ambiente. “Reagimos às demandas do Ibama, como, por exemplo, olhar o desmatamento em determinado local, etc. Nesse caso, especificamente, para a mancha de óleo, realmente não fomos acionados. Agora, por que isso aconteceu, é melhor perguntar para o Ibama”, disse Barros, na ocasião.

Deflagrada a operação da PF, o Ibama fez um laudo técnico próprio sobre as supostas provas e concluiu que, na realidade, se tratava de clorofila. “Fizemos o trabalho em sentido contrário. Chegamos à conclusão de que tinha feição de clorofila, o que é completamente incompatível com óleo. Ficamos plenamente tranquilos, aquilo que era mais um falso positivo”, comentou Bignelli.

A Marinha, que centraliza os trabalhos de investigação, chegou a dizer, na semana passada, que o Bouboulina ainda faria parte dos trabalhos das investigações. A Delta Tankers, dona do navio, já rejeitou ligações com o crime ambiental e se prontificou a auxiliar nas apurações.

Procurada, a Hex não se manifestou até as 19h45. A Marinha e a PF também não se posicionaram até esse horário. Na semana passada, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) afirmou, numa nova tese, que a origem do derramamento de petróleo no litoral brasileiro pode estar a milhares de quilômetros da costa do País. Mais precisamente, as avaliações indicam que o óleo teria se deslocado da região sul do mar da África, em abril, até chegar à costa brasileira, em setembro.

Compartilhe agora mesmo

Deixe uma resposta