Inventário revela dados sobre ocorrência e uso de árvores do Brasil

Compartilhe agora mesmo

Com aproximadamente 500 milhões de hectares cobertos por florestas e 100 mil quilômetro quadrados de árvores, o Brasil possui a 2ª maior área florestal do mundo. Para mapear e produzir informações sobre esses recursos e sua distribuição no país, o Serviço Florestal Brasileiro realiza anualmente o Inventário Florestal Nacional. Foram divulgados dados preliminares do levantamento, com informações sobre seis das principais árvores brasileiras: a araucária, a castanheira, o ipê, o pau-brasil, o pequizeiro e o umbuzeiro.

De acordo com o órgão, 550 profissionais são responsáveis por fazer a coleta de dados diretamente no campo, em pontos distribuídos a cada 20 quilômetro do território nacional. Com a análise dos dados apurados, as equipes conseguem produzir informações sobre aspectos como a estrutura, composição florística, diversidade das espécies arbóreas e saúde das florestas brasileiras. Essas informações ajudam nas elaborações de políticas públicas e ações para a recuperação, conservação e a sustentabilidade dos recursos florestais.

Os dados mais recentes do inventário destacam seis espécies de árvores emblemáticas do Brasil. Saiba mais sobre cada espécie abaixo.

Araucária

O estudo encontrou mais de 3.100 árvores da espécie (Araucaria angustifolia), também conhecida como pinheiro-brasileiro. A mais alta com 44 metros de altura. Dos 10% dos entrevistados que afirmaram usar alguma parte da araucária, 79% utiliza as suas sementes, o pinhão, a parte mais explorada da árvore principalmente para consumo. A semente faz parte da gastronomia típica da região sul do país, principal área de ocorrência da araucária. Outros dos seus usos mais habituais são a ornamentação e a obtenção de madeira e resina.

Castanheira

Mais conhecida Castanheira do Brasil (Bertholletia excelsa), esta espécie amazônica foi encontrada pouco mais de 250 vezes durante o trabalho de campo até o momento. A castanheira mais alta encontrada tem 61 metros. Na pesquisa, 15% dos entrevistados disseram que usam uma de suas partes, sendo o seu fruto, a castanha, a parte mais usada. Cerca de 80% das pessoas disseram aproveitar essa parte da árvore como alimento.

Ipê

Ipê-branco, Ipê-roxo, Ipê-amarelo. Essas são algumas das espécies deste gênero de árvore que ocorre em todo Brasil. Com cerca de 5.400 delas encontradas no levantamento, o ipê, apesar de comum, é pouco usado. Apenas 8% dos entrevistados apontaram o uso de algum parte, dos que usam, a maior parte busca o tronco (68%). O ipê mais alto registrado tem 52 metros.

Pau-Brasil

Conhecida por dar nome ao Brasil, a árvore (Paubrasilia echinata) que é endêmica da Mata Atlântica e considerada ameaçada de extinção, teve poucos exemplares encontrados até o momento pela equipe do inventário. Apenas 20 árvores da espécie, que é protegida por lei. Apenas 0,2% dos entrevistados indicaram fazer uso do pau-brasil, mas a maioria que o faz (67%), aproveita o tronco.

Pequizeiro

Famoso no estado de Goiás por causa de seu fruto, o pequizeiro é uma árvore característica do Cerrado, no centro-oeste brasileiro, apesar de poder ser encontrada também em estados do norte, conforme apontado pelo mapeamento do Serviço Florestal. 24% dos entrevistados explora o pequizeiro, quase a totalidade (94%) em busca do fruto – o pequi – para alimentação. Dos mais de 3.330 pequizeiros encontrados, o mais alto registra 42 metros.

Umbuzeiro

Mais comum na Caatinga, o umbuzeiro tem como particularidade o uso de suas raízes, que produzem batata, para alimentação humana e animal. No levantamento, foram encontradas 110 árvores, sendo a maior com 24 metros de altura. Dos entrevistados, 5% afirmaram usar alguma de suas partes. O fruto é a parte mais utilizada, e corresponde a 92% dos que exploram a espécie.
De O Eco

Compartilhe agora mesmo

Deixe uma resposta