Países definem financiamento de projetos de proteção ambiental

Compartilhe agora mesmo

A cidade de Genebra, na Suíça, sediará os debates da quarta rodada para a Sexta Reposição de Recursos do Fundo Fiduciário do Fundo Mundial para o Meio Ambiente (Global Environment Facility – GEF-6) que financiará as atividades por um período de quatro anos, a partir de julho deste ano a 30 de junho de 2018. Nos dias 16 e 17 deste mês participam da reunião representantes de 183 países, doadores e beneficiários, além de instituições internacionais, organizações da sociedade civil e do setor privado. Os recursos destinam-se a apoiar iniciativas brasileiras de desenvolvimento sustentável e as relacionadas a questões ambientais globais.
Nos encontros anteriores, os participantes concordaram que as discussões sobre reposição de recursos para o GEF-6 devem incluir o Quinto Estudo de Desempenho Geral do GEF, posicionamento estratégico para o fundo, programação de recursos, recomendações de políticas e disponibilidades financeiras. Eles acreditam que o modelo de negócio estabelecido pelo GEF continua pertinente e encorajou esforços contínuos no sentido de melhorar a eficiência e o custo-efetividade do ciclo do projeto.
Esta será a quarta reunião destinada a definir o montante da sexta reposição dos recursos do GEF. Desde 1992, o fundo já investiu cerca de R$ 26,8 bilhões (US$ 11,5 bilhões) para subsidiar projetos sobre meio ambiente e clima em países em desenvolvimento e países com economias em transição, financiando mais de 3.215 projetos em mais de 165 países, entre outros investimentos.
DE OLHO NO FUTURO
O GEF é uma agência internacional e foi criada após a Conferência do Rio de Janeiro, em 1992, para prover verbas e fundos de concessão, visando beneficiar projetos ambientais nas áreas de mudanças climáticas, diversidade biológica, águas internacionais, poluentes orgânicos persistentes e destruição da camada de ozônio. Também apoia os acordos globais destinados a combater a desertificação.
A atual forma de gestão do fundo baseia-se em sistemas de resultados ambientais, de desenvolvimento e de indicadores selecionados. Entre as recomendações políticas incluem-se um pacote de atualizações para a metodologia que visa alocar maior parcela de recursos para os países beneficiários de baixa renda, a elaboração de novos trabalhos sobre questões de gênero e uma participação mais ampla do setor privado, fortalecendo e estimulando também o engajamento da sociedade civil. O secretário de Biodiversidade e Florestas, Roberto Cavalcanti, participará da reunião representando o Ministério do Meio Ambiente. (Do mma.gov.br)

Compartilhe agora mesmo

Deixe uma resposta