Por que um país inteiro declarou guerra a protetores solares

Compartilhe agora mesmo

Arquipélago de Palau, no Oceano Pacífico, se tornou a primeira nação a banir filtros solares que contém substâncias como oxibenzona, que protege a pele contra raios ultravioletas

O país se vende no exterior como o “paraíso pristino” de mergulhadores. As ilhas Chelbacheb (também conhecidas como Rock Islands), formadas por um recife de coral parcialmente submerso, são consideradas patrimônio da humanidade pela Unesco.

O país tem uma população de apenas 20 mil pessoas, espalhadas por dezenas de ilhas, mas recebe mais de 120 mil turistas por ano.

O veto a protetores solares, anunciado em 2018, afeta produtos que contenham qualquer um de uma lista de 10 ingredientes —entre eles, oxibenzona e octinoxato, que protegem a pele ao absorver raios ultravioletas— conhecidos por serem prejudiciais à vida marinha.

OS EFEITOS DESSES QUÍMICOS
O problema é que, quando o banhista entre no mar, essas substâncias em sua pele são liberadas na água, chegando aos corais, que absorvem o produto e podem morrer. Os que sobrevivem têm seu sistema reprodutor afetado ou dificuldades para suportar o aquecimento das águas no verão.

O impacto se estende para outras espécies de animais marinhos que dependem dos corais como abrigo e fonte de alimento.

A Fundação Internacional de Barreiras de Corais (International Coral Reef Foundation) diz que os químicos banidos em Palau são “conhecidos como poluidores do meio ambiente”.

“A maioria deles é incrivelmente tóxica para os estágios iniciais da vida de várias espécies animais”, afirma.

De acordo com a fundação, diversas pesquisas demonstraram que a oxybenzona, particularmente, danifica o DNA dos corais e pode matar corais jovens. Além disso, a substância pode causar defeitos de desenvolvimento em espécies de peixe e é tóxica para camarões, moluscos, algas marinhas e ouriços-do-mar.

O presidente de Palau disse à agência de notícias AFP: “Quando a ciência nos diz que uma prática é prejudicial às barreiras de corais, às populações de peixes ou ao próprio oceano, nossa população e nossos visitantes escutam.”

Segundo Remegensau, químicos tóxicos contidos em protetores solares foram encontrados em habitats cruciais da ilha de Palau e no tecido de animais que são símbolos do país.

“Não vemos problema em sermos a primeira nação a banir esses químicos. Vamos fazer a nossa parte para espalhar essa mensagem”, disse.

O número de protetores solares que contêm substâncias prejudiciais ao meio ambiente está caindo. Em 2018, especialistas disseram que as 10 substâncias químicas banidas em Palau eram encontradas em cerca de metade dos cremes e loções vendidos em todo o mundo.

Quando o Havaí, nos Estados Unidos, anunciou um veto similar, que entrará em vigor em 2021, grandes marcas de filtro solar se apressaram para dizer que seus produtos eram “seguros para barreiras de corais”.

Outros países e ilhas também anunciaram futuros vetos a protetores solares, como as Ilhas Virgens Americanas, onde a lei entra em vigor em março, e a ilha caribenha holandesa de Bonaire.

AS SUBSTÂNCIAS BANIDAS EM PALAU
Se você está interessado em evitar o uso de protetor solar prejudicial ao meio ambiente, essas são as 10 substâncias banidas em Palau:

oxybenzona (benzofenona-3)
etilparabeno
octinoxato (metoxicinamato de octila)
butilparabeno
octocrileno
metilbenzilideno cânfora
benzilparabeno
triclosano
metilparabeno
phenoxyethanol
*Da Folha/BBC

Compartilhe agora mesmo

Deixe uma resposta