Redução das perdas de água potável tem potencial de ganhos líquidos de R$ 30 bilhões até 2033

Compartilhe agora mesmo

Acompanhamento histórico do Instituto Trata Brasil evidencia que o combate às perdas de água potável nos sistemas de distribuição é uma das ações menos priorizadas no setor de saneamento. Esses indicadores não têm melhorado nos últimos anos, além de ter piorado em muitos locais do país. Neste contexto, o Trata Brasil, em parceria com a organização Water.org dos Estados Unidos, lança o estudo “PERDAS DE ÁGUA 2020 (ano base 2018) – DESAFIOS À DISPONIBILIDADE HÍDRICA E NECESSIDADE DE AVANÇO NA EFICIÊNCIA DO SANEAMENTO“, elaborado pela GO Associados.

Com dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), ano base 2018, o estudo mostra que a média de perda de água potável no país foi de 38,45%, ou seja, para cada 100 litros de água captada, tratada e potável, 38 litros não chegam de forma oficial a ninguém, se perdem em vazamentos, roubos (“gatos”), fraudes, erros de leitura dos hidrômetros, entre outros problemas. 

Em 2018, isto significou perda de 6,5 bilhões de m³, equivalente a 7,1 mil piscinas olímpicas por dia. A perda de faturamento total foi de R$ 12 bilhões, equivalente aos recursos investidos em água e esgotos no Brasil naquele ano

Parceiro do Instituto Trata Brasil na realização do novo estudo, a organização estadunidense, Water.org, dos cofundadores Matt Damon e Gary White, colocam luz sobre o futuro da água para os países. “Pensando no futuro, acho que o acesso à água será um dos desafios mais críticos do nosso tempo. Existem várias maneiras de lidar com isso, mas para mim, garantir que todo ser humano tenha acesso a água potável e a dignidade de um banheiro – dois requisitos incrivelmente básicos e vinculados à sobrevivência – é uma das causas mais urgentes e imediatas no mundo de hoje. A boa notícia é que existem soluções que funcionam. Estou convencido de que podemos superar a crise mundial da água nesta geração“, explanou Matt Damon. 

O estudo mostra também simulações com possíveis cenários para a redução das perdas e possíveis ganhos reais para o país. 

TABELA 1: CENÁRIOS PARA REDUÇÃO DE PERDAS (R$ BILHÃO)

CENÁRIOSÍNDICE DE
PERDAS 2018
ÍNDICE DE
PERDAS 2033
REDUÇÃO NO PERIODOGANHO BRUTO TOTAL (R$ BILHÃO)GANHO LÍQUIDO TOTAL (R$ BILHÃO)
Cenário 1: Otimista39%15%62%78,039,0
Cenário 2: Base39%20%49%61,830,9
Cenário 3: Conservador39%25%36%45,522,8
Cenário 4: Plansab39%31%21%26,113,0

No cenário otimista, o Brasil chegaria a 2033 com perdas de água potável em 15% (nível de grande parte dos países desenvolvidos) e teria ganhos líquidos, já descontado o investimento no próprio combate às perdas, de R$ 39 bilhões. 

Tomando como parâmetro o Cenário Base (perdas em 20%), o ganho bruto seria de R$ 61 bilhões e líquidos em R$ 30,9 bilhões. No cenário conservador as perdas chegariam a 25% e ganhos líquidos de R$ 22,8 bilhões. 

No pior cenário, considerando a meta do Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab), as perdas chegariam a 31%, e os ganhos de R$ 13 bilhões até 2033. 

A diferença no Ganho Líquido Total entre o cenário otimista e o do Plansab seria de R$ 26 bilhões, ou seja, metas mais brandas fazem com que o setor renuncie a recursos essenciais para o fomento de investimentos e para que se chegue mais rapidamente à universalização da água e esgotos a todos os brasileiros. 

Comparação com outros países

A Tabela 2 mostra a comparação do nível de perdas internacionais com o objetivo de realizar um benchmark. É possível constatar que o Brasil se encontra distante dos países mais desenvolvidos que possuem níveis de perdas inferiores a 20%.

TABELA 2: Índice de Perdas internacional (%)


Fonte: Ibnet e African Development Bank [1] IPFT calculado com base no SNIS 2018.

Índice de Perda de água potável nos Sistemas de Distribuição (IPD)

As perdas de água nos sistemas de distribuição do Brasil não estão melhorando, ao contrário, na média estão piorando. Em 2014, o país registrou perda de 36,7%, mas quatro anos depois (2018), o indicador subiu 1,75 p.p, chegando a 38,45%. 

Tabela 3 – Histórico das perdas na distribuição (IPD) no Brasil


Fonte: SNIS Elaboração: GO Associados/Instituto Trata Brasil

Índice de Perdas de Faturamento (IPF) e Índice de Perdas de Faturamento Total (IPFT)

O gráfico abaixo demonstra a diferença entre os dois indicadores de perdas financeiras – IPF e IPFT. O IPF avalia, em termos percentuais, o nível da água não faturada (sem considerar o volume de água de serviço) e apresenta uma visão sobre o que a empresa está produzindo e não consegue faturar. Já o IPFT avalia, em termos percentuais, o nível da água não faturada do sistema de abastecimento como um todo, ou seja, fornece uma visão geral da situação das perdas do sistema levando em consideração o volume de serviços, ou seja, dá uma visão sobre tudo o que a empresa está produzindo e não consegue faturar.

Tabela 4 – Histórico das perdas de faturamento (IPF) e perdas de faturamento total (IPFT)


Fonte: SNIS. Elaboração: GO Associados/Instituto Trata Brasil

Histórico das Perdas de 2015 a 2018 

O estudo fez uma análise dos principais indicadores ligados às perdas de água entre 2015 e 2018. A Tabela 3 demonstra que:

• Houve aumento de 5% na produção de água entre 2015 e 2018. Para atender a população, as cidades brasileiras estão retirando mais água da natureza. 

• O volume de água não faturada teve aumento de 10% no mesmo período. 

• O índice de perdas na distribuição passou de 36,7% em 2015, para 38,45% em 2018, aumento de 1,75 pontos percentuais.

• O impacto financeiro ao longo dos anos subiu de R$ 9,8 bilhões em 2015 para R$ 12,3 bilhões em 2018, um aumento de 25,0%.

Édison Carlos chama a atenção para o fato. É desanimador ver que, mesmo importantes regiões do país tendo sofrido crises hídricas recentes, as autoridades e empresas operadoras continuam não priorizando o combate às perdas de água potável. Estamos tirando mais água da natureza, não para atender as pessoas, mas para compensar a ineficiência do setor”. 

Tabela 5: Evolução de indicadores de perdas de água (2015 – 2018)

INDICADORES2015201620172018
Água que entra no sistema (1.000 m³)15.973.67116.557.92716.631.55216.705.849
Água faturada (1.000 m³)10.020.70710.178.86310.110.84810.186.684
Água não faturada (1.000 m³)5.952.9646.379.0646.520.7046.519.165
Índice de Perda de Faturamento Total (IPFT) – %37,338,539,239,02
Índice de Perda de Faturamento (IPF) – %34,836,236,237,06
Índice de Perdas na Distribuição (IPD) – %36,738,138,338,45
Impacto Total de Perdas em Reais (R$) ¹9.815.586.89410.915.037.17511.378.723.39812.266.357.024
Número de piscinas olímpicas perdidas6.5246.9917.1467.144

Fonte: SNIS. Elaboração: GO Associados/Instituto Trata Brasil. [1] valores médios de 2018.

A redução das perdas implica em disponibilizar mais água para a população sem a necessidade de captação em novos mananciais. Considerando o cenário de redução das perdas de 39% para 20%, o volume economizado (1,8 bilhões de m3.) seria suficiente para abastecer 32,6 milhões de brasileiros em um ano, ou cerca de 16% da população brasileira.

Além disso, se considerarmos a população de 13,6 milhões que habitam em favelas no país, seria possível abastecer todas as favelas brasileiras por pelo menos 2 anos, com a redução das perdas. 

Para o cofundador da Water.org, Gary White, a desigualdade provocada pela ausência do acesso à água continua sendo um ciclo. “Sem acesso à água, uma enorme parte da humanidade não tem a oportunidade de quebrar o ciclo de doenças, pobreza e perda de produtividade“.

Realidades Regionais e nos Estados

O índice de perdas de água no sistema de distribuição (IPD) no Brasil é muito alto, mas as médias ainda escondem as disparidades regionais. No Norte, por exemplo, que tem os piores índices de abastecimento de água, coleta e tratamento dos esgotos, as perdas são enormes: 55,53% (Tabela 04). Significa que mais da metade da água produzida não chega oficialmente à população. 

Tabela 6: Perdas na Distribuição (IPD) nas regiões


Fonte: SNIS. Elaboração: GO Associados/Instituto Trata Brasil 

Na região Norte, entre 2016 e 2018, houve piora de 14% nas perdas na distribuição. Os piores casos foram nos estados do Amazonas e de Roraima, que tiveram aumento de 48% e 32%, respectivamente, em suas perdas. Já olhando todos os Estados, vemos os melhores com indicadores de perdas na distribuição na faixa dos 33% a 35%, enquanto que temos estados com níveis acima de 50%, com destaque negativo para Amapá, Amazonas e Roraima, este último com 73% de perdas de água potável.

** Obs. para o Estado do Rio de Janeiro:

No caso das perdas de distribuição no Estado do Rio de Janeiro, apresentado como o Estado com menor nível nesse indicador, é importante destacar que a Cedae/RJ alterou a sua metodologia de avaliação de volumes em 2010, o que teve impacto direto no nível de perdas mensurado até hoje. Desde 2010, a Cedae/RJ passou a computar os volumes de atendimento social em favelas como consumo autorizado, o que fez com que o índice de perdas na distribuição fosse reduzido de 51,1% para 31,2% em apenas um ano – 2010 e essa metodologia tem sido mantida até hoje. O Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgoto de 2010 ressalta que a redução decorreu desta alteração metodológica, e não, efetivamente, de ações concretas de redução de perdas.

Tabela 7: Perdas na Distribuição nos Estados (IPD)


Fonte: SNIS. Elaboração: GO Associados/Instituto Trata Brasil

Tabela 8: Perdas de Faturamento nos Estados (IPF e IPFT)


Fonte: SNIS. Elaboração: GO Associados/Instituto Trata Brasil. Nota: (1) Rótulos que aparecem no gráfico correspondem ao IPFT. (2) O IPFT considera os volumes de serviços como água não faturada. 

Situação de perdas nas 100 maiores cidades por população 

Para estratificar as perdas de água potável nos maiores municípios brasileiros, o estudo abordou as 100 maiores cidades que representam 40% da população do país. 

O nível de perdas dessas cidades é um pouco menor que a média nacional nos três indicadores analisados: Índice de Perdas de Faturamento Total, Índice de Perdas no Faturamento e Índice de Perdas de Distribuição.

TABELA 9: perdas nas 100 maiores cidades x Brasil


Fonte: SNIS. Elaboração: GO Associados/Instituto Trata Brasil

Para o indicador de perdas na distribuição, o indicador médio é de 34,40%, inferior à média nacional (SNIS 2018) que foi de 38,45%. O município com maior perda na distribuição foi Porto Velho – RO (77,68%). Dos 100 municípios considerados, apenas três possuem níveis de perdas na distribuição menores que 15% (valores considerados como ótimos). Os dados mostram ainda que 77% destas cidades tem perdas na distribuição superiores a 30%.

O indicador médio de Perda de Faturamento Total na amostra foi de 37,60%. Tal valor é inferior à média nacional divulgada no SNIS 2018, que foi de 39,02%. O município com maior perda de faturamento foi Boa Vista – RR (73,32%). Dos cem municípios considerados, apenas 13 possuem níveis de perdas de faturamento iguais ou menores que 15%. Os dados mostram que mais de 50% da amostra tem perdas de faturamento superior a 30%. 
———————————————-
*Do Instituto Trata Brasil/Foto: Ivan Sanchez/Creative Commons

Compartilhe agora mesmo

Deixe uma resposta